REF.ª: OM/____198____/09
LOBITO, 28 de Agosto de 2009


O Activista Cívico e Secretário-geral do Clube dos Angolanos no Exterior, esteve na província de Benguela, de 26 a 28 de Agosto de 2009, a convite da associação OMUNGA.

O analista político aproveitou a sua estada nesta província para visitar os jovens assentados pela Administração Municipal do Lobito no ex. Centro 16 de Junho, B.º da Lixeira, Lobito. Neste local, aquela personalidade pôde aperceber-se das condições degradantes em que aquela comunidade continua a viver depois de mais de ano e meio do assentamento. Na altura do assentamento, o Sr. Administrador municipal fez a promessa de, num prazo de seis meses, disponibilizar terrenos e material para a autoconstrução, entre outras coisas. Entretanto, os jovens continuam ainda a viver em tendas. Por outro lado, a mesma administração está a estimular a construção ilegal e anárquica ao negar-se em ceder os referidos terrenos e os seus títulos de propriedade e ao incentivar os jovens a fazerem as suas construções onde quizerem, dando, a alguns poucos, chapas de zinco, conforme consta em carta dirigida pelo Sr. Administrador à OMUNGA.

José Gama visitou ainda a Feira do Lobito onde mais de 250 famílias vivem a ameaça de desalojamento forçado. No final da visita, o coordenador da OMUNGA manteve um encontro com aquele activista cívio onde fizeram o balanço das actividades e abordaram sobre algumas áreas de intervenção conjunta. José Gama comprometeu-se, em nome do Club K, de fazer a máxima divulgação da DECLARAÇÃO DE BENGUELA e a mobilização para o máximo de subscrições.

A DECLARAÇÃO DE BENGUELA representa a tomada de posição pública de cerca de 23 individualidades que participaram como prelectores nas diferentes edições do QUINTAS DE DEBATE, como Sérgio de Barros, Fernando Macedo, Filomeno Vieira Lopes, Tina Abreu, Pedro Santa Maria, William Tonet, Domingos da Cruz, Guilherme Santos, Padre Piu, Francisco Eduardo, Makuta Nkondo, António Capalandanda, Nelson Pestana Bonavena, Luísa Rogério, Sérgio Calundungo, Justino Pinto de Andrade, Inglês Pinto, Luisete Araújo e Padre Canário.

Esta iniciativa conta também com o apoio de algumas Organizações da Sociedade Civil (OSC) como a ACC, ADRA, AMC, APDH, DW, LARDEF, Núcleo de Jovens Pintores, OKUTIUKA – Huambo e OMUNGA.

José A. M. Patrocínio
Coordenador Geral


Benguela Declaration

We, members of Angolan civil society here present, on our own behalf and in the name of the representatives of organizations and individuals who have signed this text, express our extreme worry at the resurgence of forced evictions that already have taken place, or are announced. They constitute a violation of the civil rights to a decent life. It is in this context that we assume a clear position in favour of the respect of the Constitution, of fundamental laws and rights, which is why we declare ourselves firmly against these perpetrated evictions. We demand that the principal institutions of the State responsible guarantee human rights on a universal basis, adopt a just and participatory housing policy, involving the various groups and social classes such that, in other words, is adapted to the reality of the large majority of the families of this country.

According to the General Comment N.º 7 of the UN Committee on Economic, Social and Cultural Rights, one understands “forced expulsions” to mean “the permanent or temporary removal against their will of individuals, families and/or communities from the homes and/or land which they occupy, without the provision of, and access to, appropriate forms of legal or other protection.” Moreover, in the same document, the Committee concludes that “forced expulsions are prima facie incompatible with the requirements of the Covenant” [International Covenant on Economic, Social and Cultural Rights].

Between 2001 and 2007, local and international organizations documented the forced eviction of more than 30.000 people. A part of them saw their houses demolished without being able to prevent the destruction beforehand. They were even less consulted, and were without legal protection or adequate alternative housing. Many forced evictions were carried out by policemen, members of the armed forces, or private security companies, using excessive force.

Last month, 3,000 houses were demolished in the Municipality of Kilamba Kiaxi, in Luanda (capital of the country), which means the forced expulsion of 3,000 families; that is to say at least 15,000 people. In Lobito, since February 2009, 250 families living in the old marketplace are threatened with evictions. In preparation for the ACN (African Cup of Nations) and tourist projects between Benguela and Lobito (two cities in edge of the sea, 500 km south of Luanda), the local governments have announced future expulsions of whole districts, where thousands of families live. They were not prevented, and no action of consultation is envisaged. Many other cases take place in various provinces not only in the cities, but also in the campaigns where lands are confiscated from local communities who depend on agriculture for their subsistence.

Due to many internal displacements during the [28-year-long civil] war, a weak administrative system and the lack of a housing policy in favour of the poor, among other factors, one estimates that, in Luanda, for example, 75% of the families do not have any official title to their houses and lands. Sometimes, as in the case of some of the families living in the Lobito market, they actually were rehoused there by the municipal administration, but without a document of title ever being given, thus, leaving them vulnerable to new evictions, each time the administration needs the land for other purposes.

The reasons officially given by the government, central or local, for these expulsions, range from the rebuilding of the country to the requalification of the districts, as well as expropriations for “public purposes,” the preparation of the ACN or public or private investments. Even if some of these reasons could be regarded as justified and legitimate, international standards, recognized by the Angolan legal system, regulate the conduct of evictions. In all cases, it is unacceptable that the government considers this type of systematic measures to be normal. Authorities are to carry out evictions only as a last resort, and only after having met other conditions, among them are the provision of adequate housing alternatives.

We are equally worried by other factors that make us think that this wave of forced evictions will increase and violate the rights of many more families, if adequate processes are not adopted. We speak of the new Mining Code which, if it is approved as it is currently presented, transforms all the zones containing mining resources, including those intended for civil construction, into restricted zones from which the local populations will have to be displaced. We also think of the application of the Lands Law, whereas the little that is done for rural communities and the urban families systematically to register their lands, to have a better legal security of tenure in the future.

We finally speak about the future large investments in the country, whether for the production of biofuel in Malanje, aluminium in Benguela, silver in Kwanza-Norte, copper in Uíge, or uranium in the south of the country. These investments are necessary and can create jobs and growth, but if the State of Angola does not protect the families who live in the zones concerned, the number of evictions and land confiscations without alternatives or compensations will increase in alarming proportions in the coming years. Moreover, economic growth would not be accompanied by social development.

It should be recalled that in its Article 2, the Angolan Constitution in force declares that “the Republic of Angola is a democratic State of law that holds as fundamentals,” among others, “human dignity” and “respect and guarantee for fundamental human rights and freedoms.” Its article 20 affirms that “the State respects and protects the human person and human dignity,” and article 29 affirms that “the family, the basic unit of organization in the society, is object of protection of the State.”

Moreover, article 21 of the same law recognizes that “the constitutional and legal norms relating to the basic rights must be interpreted and integrated in harmony with the Universal Declaration of the Human rights, the African Charter of Human and Peoples’ Rights, and other international instruments to which Angola is party.” In fact, Angola ratified the African Charter in 1990, and the International Covenant on Civil and Political Rights, as well as the Covenant on Economic, Social and Cultural Rights in 1992. As a State party, Angola has accepted the obligations to respect, protect and fulfill human rights, including the human right to an adequate housing.

Finally, we wish to recall that, in its November 2008 review of Angola, the Committee on Economic, Social and Cultural Rights recommended to Angola to:
(a) take appropriate measures to ensure that evictions are only used as a last resort, adopt legislation or guidelines strictly defining the circumstances and safeguards under which evictions must take place, in accordance with the Committee’s General Comment No. 7 on forced evictions (1997);
(b) investigate all allegations of excessive use of force by police and state officials involved in forced evictions and bring all those responsible to justice;
(c) ensure that every victim of forced evictions is provided with adequate alternative housing or compensation and that he or she has access to an effective remedy;
(d) ensure that any force evictions carried out in the context of the African Cup of Nations, a sport event which will take place in 2010, meet the requirements and guidelines of the General Comment No.7...”

In this context, and keeping in mind these concerns for the present and the future of our country:
1. We oppose the systematic resort to forced evictions, demolitions of houses and land confiscations;
2. We appeal to the provincial governments to create commissions in each municipality, with the full participation of civil society and representatives of each district and community, to discuss in advance all the plans for housing construction, evictions and resettlement, and to facilitate effective consultations and negotiations on a case-by-case basis;
3. We demand that rights to information be respected, with participation and legal remedy, all of which are recognized by the Angolan Constitution;
4. We demand that right to an adequate housing for all, which includes the components of legal security of tenure, habitability, access to public services, physical and financial access, location and cultural adequacy, be integrated into the new Constitution of the country;
5. We appeal to the Government to use the right to housing as a basis for policies, programs and budgets related on housing, town planning and regional planning, which systematically must contain a component in favour of the poor, in order to begin reversing the social inequalities in our country;
6. We also appeal to the Government to respect the human right to housing and all the other rights in the decrees that it promulgates, such as in its bilateral and multilateral agreements with other countries;
7. We finally recommend that the UN Rapporteur Special on Adequate Housing officially be invited by the Government of Angola, in order to be able to enter a constructive dialogue with her and to help the Government to respect its obligations to respect, protection and realization of the human right to housing.

Benguela, 20 August 2009


De acordo a informação recebida pela OMUNGA, o prelector de uma das edições de QUINTAS DE DEBATE, Domingos da Cruz, é processado pela Procuradoria-geral da República.

29 Agosto 2009
PGR processa Domingos da Cruz por escrever artigo "Quando a guerra é necessária e urgente"

Luanda - A Procuradoria-geral da República (PGR) moveu um processo contra o escritor/jornalista, Domingos da Cruz. O processo é fruto de um artigo intitulado "Quando a guerra é necessária e urgente" na qual o regime acusa-lhe de instigar a violência e a guerra, conforme elementos constantes no processo.
Fonte: Club-k.net

Acusado de incentivar guerra em Angola
Na manhã de sexta-feira o também jornalista do bissemanário Folha 8, foi submetido a um interrogatório de uma hora na Direcção Nacional de Investigação Criminal- DNIC. O interrogatório foi feito pelo instrutor Manuel Constantino, chefe do Departamento de Crimes Selectivos. O jornalista chegou na DNIC as 8 horas e só foi ouvido a partir das 11 horas. A referida audição foi feita num ambiente razoável. Aos microfones da Radio Eclésia advogou-se dizendo que era um texto com pendor académico.
Recorde-se que os medias têm veiculado informações segundo as quais o regime de Luanda tem perseguido o jornalista e escritor. As perseguições e ameaças de morte ao telefone intensificaram-se apôs a publicação do seu livro "Para onde vai Angola?". Ainda por causa do livro o regime retirou-o do emprego.


A Declaração De Benguela sobre as Demolições

por Nelson Pestana (Bonavena) *

Esta semana tiveram lugar três acontecimentos que prenderam particularmente a minha atenção: a Conferência Internacional sobre a vida e obra de Óscar Ribas, a visita do Presidente Zuma e a Declaração de Benguela sobre as Demolições. Em relação a Óscar Ribas falaremos em texto próprio, na próxima semana. Sobre a visita do Presidente da África de Sul deixo apenas algumas considerações para me poder debruçar com mais amplitude sobre a barbárie das demolições que foi, em Benguela, objecto de uma declaração da sociedade civil.

A visita de Zuma (e da importantíssima delegação que o acompanhou) significa antes de mais que as relações entre os dois Estados, para lá da retórica habitual, entram numa nova era. Esta tem como principal característica a transformação das “boas relações políticas entre as duas lideranças” em projectos de desenvolvimento ou, pelo menos, em frutuosas relações (e acções) de negócios. Revoluto o tempo das simples cumplicidades ideológicas, poderíamos dizer que parece que o novo nome da diplomacia é a economia. Mas, esta visita significa também uma mudança de atitude de ambos os lados que aceitam agora uma liderança conjunta da África Austral, o que pressupõe não mais a rivalidade das “duas potências” por essa liderança. O que permite a entrada a corpo inteiro de Angola na região e um incremento nos planos de desenvolvimento regionais. Possibilita também à África de Sul uma entrada na África Central, pela porta de Angola, onde esta afirma já um lugar de potência regional. É claro que isto significa que os interesses económicos dos grupos de poder, num e noutro país, são agora coincidentes, o que não acontecia antes.

Quanto a “Declaração de Benguela sobre as Demolições” ela é, antes de mais, um sinal de que a sociedade civil angolana quer ter voz própria na senda do desenvolvimento nacional e não quer ser cúmplice da voracidade dos grupos de poder pela especulação imobiliária, denunciando o facto de trinta mil famílias terem sido desalojadas (entre 2001 e 2007) e da ira do camartelo ter demolido três mil casas, o mês passado, no Kilamba Kiaxi, em poucos dias e aos nossos olhos.

Esta declaração é pois uma tomada de posição dos seus subscritores em relação a “recrudescência de desalojamentos forçados já havidos ou anunciados que constituem uma violação dos direitos dos cidadãos a uma vida digna”. É também um veemente protesto contra os desalojamentos perpetrados e a exigência do respeito, pelas instituições do Estado, dos direitos dos cidadãos, nomeadamente à uma habitação condigna, possível no quadro de uma política habitacional participativa, abrangente e que apoie os mais desprovidos de recursos.

A política do camartelo é justificada, pelo discurso oficial, pela necessidade da reconstrução nacional, traduzida em requalificação de espaços, expropriação por utilidade pública, realização do CAN ou implementação de investimentos públicos ou privados. É verdade que cabe ao Governo, nos termos da Constituição, artigo 9º, orientar o desenvolvimento da economia nacional mas tem que o fazer, por força desse articulado, de forma a garantir (1) o crescimento harmonioso das regiões do país, (2) a racional e eficaz utilização dos recursos e capacidades produtivas (do país) e (3) a elevação do bem-estar e da qualidade de vida dos cidadãos”. Isto quer dizer que o desenvolvimento não pode ser senão um desenvolvimento integrado, feito com os cidadãos, sob pena de ser inconstitucional, ilegal e um verdadeiro acto de violência.

A expropriação não pode ser utilizada como um acto arbitrário do Estado. Embora sendo um acto discricionário tem que estar fundada numa razão de interesse público. E, por isto, a expropriação não ser um meio que faça do Estado um instrumento para privilegiar um grupo de cidadãos, em desfavor de outros. As demolições das casas dos moradores dos bairros populares que vão acontecendo ou virão a acontecer por todo o país não podem servir para proporcionar terrenos baratos à especulação imobiliária de qualquer grupo de poder.

Pelo seu teor se percebe que para a “Declaração de Benguela sobre as Demolições” não é o desenvolvimento que é objecto de inquietação mas a forma como são encarados os “futuros grandes investimentos no país, seja para a produção de biocombustíveis, em Malanje, alumínio, em Benguela, prata, no Kwanza-norte, cobre, no Uíge ou urânio, no sul do país”. Se estes investimentos estimulam o crescimento económico e proporcionam a criação tão necessária de empregos, perante uma política despreocupada do Governo de protecção das populações locais, vai seguramente haver um aumento dos confiscos de terras e de desalojados, “sem alternativas nem compensações”.

Os subscritores da “Declaração de Benguela sobre as Demolições” têm pois razão de “pensar que esta onda de desalojamentos forçados pode aumentar e violar os direitos de muitas outras famílias” e, por isto, tomam posição “contra o recurso sistemático a desalojamentos forçados, demolições de casas e expropriação de terras”. E apelam também a criação de “comissões, em cada município, com ampla participação da sociedade civil e representantes de cada bairro e comunidade” que se pronunciaria sobre “os planos de construção, desalojamento e realojamento na área”. Incentivando assim o Governo a colocar “o direito a uma habitação adequada” no centro “da sua política, programas e orçamentos habitacionais, urbanísticos e de utilização do espaço”.

Boca 1: Os subscritores da “Declaração de Benguela sobre as Demolições” têm pois razão de “pensar que esta onda de desalojamentos forçados pode aumentar e violar os direitos de muitas outras famílias” e, por isto, tomam posição “contra o recurso sistemático a desalojamentos forçados, demolições de casas e expropriação de terras”.
BOCA 2: “A sociedade civil angolana quer ter voz própria na senda do desenvolvimento nacional e não quer ser cúmplice da voracidade dos grupos de poder pela especulação imobiliária, denunciando o facto de 30 000 famílias terem sido desalojadas (entre 2001 e 2007) e da ira do camartelo ter demolido 3 000 casas, o mês passado, no Kilamba Kiaxi, em poucos dias e aos nossos olhos”

*Cientista político
Publicado inicialmente in jornal AGORA.



Apresentação do Embaixador José Gama* do Club-K no QUINTAS DE DEBATES realizado pela OMUNGA, aos 27 de Agosto de 2009 em Benguela


É a primeira vez que venho ao Lobito. Ontém o coordenador da OMUNGA, Sr José Patrocínio levou-me a conhecer parte da restinga. Estávamos num restaurante e nas nossas abordagens falámos de Nelson Mandela. Contei-lhe que há dois anos atrás o Mandela fez anos e sempre que ele faz anos a sua fundação convida sempre uma individualidade de prestigio internacional para se juntar. E neste dia convidaram o Kofi Anan. Estava na sala o actual presidente sul africano Jacob Zuma e outros dirigentes do Governo e do ANC. Uma cerimónia com Mandela ninguém falta porque todos querem vê-lo. Ao entrar notámos que estava já muito cansado mas mesmo assim tinha tempo para a sua causa dos direitos humanos. Quando lhe foi dada a palavra e com o seu ar alegórico disse o seguinte: “Vocês não vieram aqui para ver como se parece um velho de 89 anos mas para ouvir o que tenho para dizer” .

O que ele queria dizer é que o mais importante num debate é a mensagem e não as pessoas. Uma mensagem é uma informação. E é exatamente o tema que iremos abordar a importância da informação e o impacto no nosso desenvolvimento humano.

Definição de informação

A informação é saber dos seus direitos na sociedade. A própria Declaração Universal de Direitos Humanos diz, no Artigo19, que “todo ser humano tem direito à liberdade de opinião e de expressão; esse direito inclui a liberdade de ter opiniões sem sofrer interferência e de procurar, receber e divulgar informações e idéias por quaisquer meios, independentemente de fronteiras”.

Em Abril deste ano o Embaixador João Garcia da Comissão Europeia visitou o centro “16 de Junho” no bairro da lixeira aqui no Lobito e os jovens que vivem nas tendas escreveram uma carta fazendo discrição da sua situação e dentre os assuntos que eles faziam referência sobre promessas não cumpridas pela administração municipal nas quais eu passo a citar:

· Construção de casas para todos dentro de seis meses.
· Arranjar emprego para todos nas seguintes empresas (CFB, Refinaria, Odebrestch e Secil Lobito).
· Dinheiro para as mulheres fazerem negócios.
· Formação profissional a todos.
· Máquina de fabricar blocos.
· Dar sempre comida e água.
· Meter todos a estudar nas escolas públicas.
· Registrar todos.

O facto destes jovem aproveitarem a ocasião do Embaixador da Comissão Europeia para cobrar os seus direitos ou o que lhes foi prometido isto implica dizer que são jovens que têm informação sobre os seus direitos. Informação é isso.

Importância da informação nos processos democráticos

Não pode haver democracia sem informação. Nos processos democráticos a informação tem a Valência de um instrumento para cultivo do nosso intelecto. De entendermos o que vai ao nosso redor e aprendermos a fazer leitura dos fenômenos.

Consequência da falta de informação nos órgãos judiciais

Não pode haver uma democracia sem justiça social e para haver justiça social todos nós devemos estar instruídos sobre os nossos direitos jurídicos. A falta do conhecimento disto tem levado tanto o cidadão como os próprios agentes de justiças a cometerem erros que atentam contra os valores da nossa democracia.

Há um jovem rapper em Cabinda que conhecido por Mc Dogmilson que trabalha num cyber café. Através da internet fez uma rede de amizades com rapperes brasileiros. Em Agosto do ano passado estes amigos enviaram-lhe alguns discos e ao andar na rua com os mesmos foi interceptado por um polícia que o prendeu por ele não ter podido provar que os discos não eram para fins piratas. Prenderam-no. Ficou preso cerca de dois meses acabando por ser liberto na manhã do dia 25 de Outubro. Assim que saiu estava preocupado em procurar o agente que lhe facilitou a saída para dar alguma gasosa. Ele acreditava que se estava livre era porque a polícia fez lhe um favor em devolve-lo a liberdade.

Este exemplo mostra como a nossa população é prejudicada pelos órgãos de justiça por desconhecerem os seus direitos fundamentais.

Rigorosidade da informação nos serviços de segurança

Certa vez estava com um mais velho que foi responsável dos serviços de informação de um país africano e dizia-me que na avaliação de uma informação todo detalhe por mais pequeno que seja nunca deve ser ignorado e deu-me um exemplo. Contou-me que há uns anos os russos estavam a treinar alguém por 15 anos para um dia vir a chefiar o Estado de Israel mas tinham falhado num pequeno detalhe. Este indivíduo que estava a ser treinado, chegou a ascender nas estruturas partidárias ou seja tinha meio caminho andando mas um dia caiu doente. Levaram-no ao hospital, foram feitas várias análises e não conseguiam ver o que o homem tinha. Análises mais análises e a dada altura o homem tinha de ficar nú e notaram que o homem não era circuncizado.

Na cultura dos Judeus, as crianças são circuncizadas no oitavo dia de nascimento. Este pequeno detalhe pôs a baixo o plano que os russos preparavam

O mesmo aconteceu connosco aqui em Angola. A semana passada foi liberto um jornalista em Cabinda que tinha sido julgado ano passado e condenado a 12 anos de cadeia por ter alegadamente atentado contra a Segurança do Estado. No julgamento não foi provado que ele tivesse dado apoio logístico à guerrilha de Cabinda, em dinheiro (500 usd) e nem ficou provado que o mesmo tivesse uma existência dupla. Os co réus não confirmaram conhecer o jornalista com quem alegadamente teriam cometido o mesmo delito. Um deles ainda preso chegou apanhar um tiro na barriga quando era forçado a depôr contra o jornalista.

Estávamos diante de um erro dos serviços de segurança e mostrou como as autoridades judiciais falharam por não terem sido rigorosos ao analisarem as informações. A HRW publicou um relatório com base em investigações e aconselhou as autoridades a domesticarem os agentes dos serviços de informação/segurança.

Consequência da partidarização da informação nas eleições

Começaria por perguntar até que ponto a comunicação social nas nossas eleições foram partidarizadas?

Em Fevereiro circulou um memorando de uma associação dos profissionais de Benguela datado de 25 de Fevereiro endereçado ao Comitê Provincial do MPLA. E nesta carta (transcrevo aqui na integra) “queremos recordar a direcção do partido o importante papel que os jornalistas desempenharam nas eleições legislativas que culminou com a vitória do MPLA.”

O grupo de jornalistas dizia que não viu recompensados os seus esforços. Segundo eles: “Para sermos mais claros, nem que não fossem todos, mas gostaríamos que alguns membros da classe fossem agraciados com viaturas e alguns valores que pudessem ajudar em projectos pessoais.”

O memorando dos jornalistas foi muito grave. Foi uma prova viva que os jornalistas nas eleições tomaram partido, ao invés de servirem o povo informando com imparcialidade. Aqueles que deveriam difundir o estado de direito na qualidade de jornalistas acabaram por ter comportamento na linha do partido único. Isto atemoriza e confunde o povo que fica sem compreender exactamente em que situação é que nós estamos

E de que forma ficamos face a este comportamento da rede dos jornalistas? A União Europeia e o mundo não reconheceram as nossas eleições como livres e justas. Porque de acordo com às normas internacionais as eleições para serem livres e justas reúnem certos requisitos que são:

a) Periódicas
b) Competitivas
c) Voto secreto e tolerância
d) Direito de informação equilibrada

Conclusão e sugestão:

1- O Trabalho da comunicação social foi um atentado à democracia. Chegamos à conclusão que a credibilidade das eleições de Setembro foi prejudicada por causa da parcialidade e partidarização dos órgãos de comunicação públicos levando o processo a desobedecer aos requisitos necessários para serem consideradas internacionalmente como livres e justas. A União Europeia e outros optaram por qualificar apenas por “pacíficas”.

O Jornalista numa democracia deve saber servir o povo. Não pode ser um “Yes man” do partido. Tem que ter também a coragem de dizer “não”. E como dizia, o falecido Jonas Savimbi: “O Sim só tem valor quando é dito por aqueles que também podem dizer NÃO”

2 - Concluímos que a falta de rigorosidade nas investigações feitas pelos órgãos investigação tem levado as pessoas a serem alvos dos erros de informação dos órgãos de justiça. Aconselhamos a serem mais rigorosos nas investigações e a terem sempre em conta aos mais pequenos detalhes de elementos de informação nas suas investigações.

3- Concluímos que a falta ou ausência de informação torna os populares alheios aos seus direitos mas por outro lado observamos que os jovens do centro “16 de Junho” passaram a ter informação sobre aquilo que são os seus direitos de cidadão e das responsabilidades das instituições do estado para com eles.

Os jovens como o nosso irmão Frederico e o Amaral que são lideres destas comunidades devem manter sempre informados os outros jovens com os seus conhecimentos. Ao crescermos informados, é o município que cresce, é a província que ascende e o país que engrandece. Assim poderemos um dia também repetirmos o que disse um dia Martin Luther King “Nós não somos o que gostaríamos de ser. Nós não somos o que ainda iremos ser. Mas, graças a Deus, Não somos mais quem nós éramos”


Extinção do Ministério da comunicação social criando uma alto autoridade que regula estes órgãos onde os seus responsáveis passariam a ser eleitos como acontece em outros países onde os juízes e reitores de universidades são eleitos


*José Gama

Activista Cívico, é o Secretário Geral do Club dos Angolanos no Exterior e seu Embaixador em Pretória. Analista político do Jornal Angolense e da TV Sul Africana SABC.

Licenciado em Engenharia Geofísica pela University of South Pretoria (2003-2006) e em Relações Internacionais e Diplomacia, pela University of South Africa.


Déclaration de Benguela

Nous, membres de la société civile angolaise ici présents, en notre nom et au nom des représentants d’organisations et personnes individuelles qui ont signé ce texte, déclarons être extrêmement préoccupés par la recrudescence d’expulsions forcées qui ont déjà eu lieu ou sont annoncées. Elles constituent une violation des droits des citoyens à une vie digne. C’est dans ce contexte que nous assumons une position claire en faveur du respect de la Constitution, des lois e des droits fondamentaux, raison pour laquelle nous nous déclarons fermement contre les expulsions perpétrées. Nous exigeons que les institutions de l’Etat, principales responsables de la garantie des droits de l’homme sur une base universelle, adoptent une politique de logement participative, juste et incluant les diverses groupes et classes sociales, autrement dit, adaptée à la réalité de la grande majorité des familles de ce pays.

Selon l’Observation Générale N.º 7 du Comité de l’ONU pour les Droits Economiques, Sociaux et Culturels, on entend par “expulsions forcées” “le fait de faire sortir des personnes, des familles et/ou des communautés des maisons et/ou des terres qu’elles occupent, de façon permanente ou provisoire, sans leur offrir de moyens appropriés de protection légale ou d’autre nature, ni leur permettre d’y accéder”. En outre, dans le même document, le Comité arrive à la conclusion que “les expulsions forcées sont prima facie incompatibles avec les conditions requises par le Pacte [International relatif aux Droits Economiques, Sociaux et Culturels].”

Entre 2001 et 2007, des organisations locales et internationales ont documenté l’expulsion forcée de plus de 30 000 personnes. Une partie d’entre elles a vu leurs maisons démolies sans être préalablement prévenues, et encore moins consultées, sans protection légale ni logement alternatif adéquat. De nombreuses expulsions forcées ont été exécutées par des agents de la police, des membres des forces armées ou d’entreprises de sécurité privée, faisant un usage excessif de la force.

Le mois dernier, 3000 maisons ont été démolies dans la municipalité de Kilamba Kiaxi, à Luanda (capitale du pays), ce qui signifie l’expulsion forcée de 3000 familles, soit au moins 15 000 personnes. A Lobito, depuis février 2009, 250 familles vivant dans l’ancienne place du marché sont menacées d’expulsions. En prévision du CAN (Coupe d’Afrique des Nations) et de projets touristiques entre Benguela et Lobito (deux villes en bord de mer à 500 km au sud de Luanda), les administrations locales annoncent les futures expulsions de quartiers entiers, où vivent des milliers de familles. Elles n’ont pas encore été prévenues et aucune action de consultation n’est prévue. Beaucoup d’autres cas ont lieu dans différentes provinces, non seulement dans les villes mais aussi dans les campagnes où des terres sont confisquées des communautés locales, alors qu’elles survivent de l’agriculture de subsistance.

Pour cause de nombreux déplacements internes pendant la guerre, d’un système administratif défaillant et du manque d’une politique de logement en faveur des pauvres, entre autres facteurs, on estime qu’à Luanda par exemple, 75% des familles n’ont aucun titre officiel sur leurs maisons et leurs terrains. Parfois, comme dans le cas de certaines des familles vivant dans le marché de Lobito, celles-ci y ont été relogées par la propre administration municipale, mais sans que leur soit jamais donné un titre de propriété, les laissant ainsi vulnérables à de nouvelles expulsions, chaque fois que l’administration a besoin du terrain pour d’autres fins.

Les raisons officiellement données par le gouvernement, central ou local, pour ces expulsions, vont de la reconstruction du pays à la requalification des quartiers, en passant par les expropriations pour “utilité publique”, la préparation du CAN ou encore des investissements publics ou privés. Même si certaines de ces raisons peuvent être considérées comme justifiées et légitimes, il existe des normes internationales, reconnues par le système juridique angolais, qui réglementent la façon de mener des expulsions. Dans tous les cas, il est inacceptable que ce type de mesures soit systématique et jugé normal par le gouvernement, alors qu’il doit y recourir en dernière instance, et seulement après avoir organisé, entre autres conditions, des alternatives adéquates.

Nous sommes également préoccupés par d’autres facteurs qui nous font penser que cette vague d’expulsions forcées pourra augmenter et violer les droits de beaucoup d’autres familles, si des procédés adéquats ne sont pas adoptés. Nous parlons du nouveau Code Minier qui, s’il est approuvé comme il est présenté jusqu’à maintenant, transformera toutes les zones contenant des ressources minières, y compris celles destinées à la construction civile, en zones restreintes d’ où les populations locales devront être délogées. Nous pensons également à la mise en application de la Loi sur les Terres, dans le sens du peu qui est fait pour que les communautés rurales et les familles citadines enregistrent systématiquement leurs terres ou terrains, afin d’avoir une meilleure sécurité juridique dans le futur.

Nous parlons enfin des futurs grands investissements dans le pays, que cela soit pour la production de biocombustibles à Malanje, d’aluminium à Benguela, d’argent au Kwanza-Norte, de cuivre à Uíge[1] ou d’uranium dans le sud du pays. Ces investissements sont nécessaires et peuvent créer des emplois et de la croissance, mais si l’Etat angolais ne protège pas les familles qui vivent dans les zones visées, le nombre d’expulsions et confiscations de terres, sans alternatives ni compensations, pourra augmenter dans des proportions alarmantes au cours des prochaines années. Et, une fois de plus, la croissance économique ne sera pas accompagnée de développement social.

Il faut rappeler que dans son Article 2, la Loi Constitutionnelle angolaise en vigueur déclare que “la République d’Angola est un Etat démocratique de droit qui a comme fondamentaux”, entre autres, “la dignité de la personne humaine” et “le respect et la garantie des droits et libertés fondamentales de l’homme”. Son article 20 affirme que “l’Etat respecte et protège la personne et la dignité humaines”, et l’article 29, que “La famille, noyau fondamental de l’organisation de la société, est objet de protection de l’Etat”.

En outre, l’article 21 de la même loi reconnait que “les normes constitutionnelles et légales relatives aux droits fondamentaux doivent être interprétées et intégrées en harmonie avec la Déclaration Universelle des Droits de l’Homme, de la Carte Africaine des Droits de l’Homme et des Peuples, et autres instruments internationaux auxquels l’Angola est partie”. De fait, Angola a ratifié la Carte Africaine en 1990 et les Pactes Internationaux relatifs aux Droits Civils et Politiques ainsi qu’aux Droits Economiques, Sociaux et Culturels en 1992. En tant qu’Etat partie, l’Angola a accepté les obligations de respecter, protéger et réaliser les droits humains, y compris le droit à un logement adéquat.

Finalement, nous désirons rappeler que suite au passage en revue de l’Angola, en Novembre 2008, par le Comité des Droits Economiques, Sociaux et Culturels, celui-ci a recommandé à l’Angola:
a) de prendre des mesures appropriées pour que les mesures d’expulsion ne soient prises qu’en dernier recours, et d’adopter des lois ou des directives définissant de façon stricte les circonstances et les garanties dans le cadre desquelles les expulsions peuvent avoir lieu, conformément à l’Observation générale no 7 du Comité sur le droit à un logement convenable (art. 11.1) et les expulsions forcées (1997);
b) d’enquêter sur toutes les allégations d’usage excessif de la force par des policiers et des agents de l’État participant aux expulsions forcées et de traduire en justice tous les responsables;
c) de s’assurer que chaque victime d’expulsion forcée bénéficie de mesures adéquates de relogement ou d’indemnisation et qu’il ou elle ait accès à un recours utile; et
d) de veiller à ce que toute expulsion forcée dans le cadre de la Coupe d’Afrique des Nations, manifestation sportive qui doit se tenir en 2010, soit conforme aux critères et directives énoncés dans l’Observation générale no 7. »

Dans ce contexte, et gardant en tête ces préoccupations pour le présent et le futur de notre pays:
1. Nous nous positionnons contre le recours systématique aux expulsions forcées, démolitions de maisons et expropriations de terres;
2. Nous appelons les gouvernements provinciaux à créer des commissions dans chaque municipalité, avec une ample participation de la société civile et de représentants de chaque quartier et communauté, pour discuter à l’avance de tous les plans de construction de logements, expulsions et relogements, et pour faciliter la réalisation de consultations et négociations au cas par cas;
3. Nous exigeons que les droits à l’information, à la participation et au recours juridique, tous reconnus par la Loi Constitutionnelle angolaise, soient respectés;
4. Nous demandons que le droit à un logement adéquat pour tous, qui inclue les composantes de sécurité juridique de l’occupation, habitabilité, accès aux services publics, accès physique et financier, localisation et adéquation à la culture, soit intégré à la nouvelle Loi Constitutionnelle du pays;
5. Nous appelons le Gouvernement à utiliser le droit au logement comme base des politiques, programmes et budgets liés au logement, à l’urbanisme et à l’aménagement du territoire, qui doivent systématiquement contenir une composante en faveur des pauvres afin de commencer à inverser le cadre des inégalités sociales dans notre pays;
6. Nous appelons également le Gouvernement à respecter le droit au logement et tous les autres droits humains dans les décrets qu’il promulgue, ainsi que dans ses accords bilatéraux et multilatéraux avec d’autres pays;
7. Nous recommandons enfin que la Rapporteur Spéciale de l’ONU pour un Logement Adéquat soit officiellement invitée par le Gouvernement d’Angola, afin de pouvoir entrer dans un dialogue constructif avec celui-ci et l’aider à respecter ses obligations de respect, protection et réalisation du droit au logement.

Benguela, 20 Aout 2009
[1] Tous ces noms correspondent à des provinces de l’Angola.



REF.ª: OM/____192_____/09
LOBITO, 23 de Agosto de 2009


Os subscritores da iniciativa DECLARAÇÃO DE BENGUELA, aproveitaram a sua estadia em Benguela para, a 21 de Agosto de 2009, efectuarem uma Acção de Solidariedade.

É assim que se deslocaram à Feira do Lobito (B.º do Compão) onde puderam ter encontros com os populares que ali vivem e avaliar as condições de habitabilidade em que se encontram. Lembramos que estes populares vivem a ameaça de desalojamento. Neste momento, no entanto, existe apenas a promessa de que tal desalojamento não será feito com recurso à força e que também a Administração Municipal do Lobito encontra-se a identificar terrenos para o seu assentamento posterior. Para além da falta de outras garantias básicas em relação ao processo de desalojamento e assentamento, os populares continuam a não participar de forma directa no mesmo. A OMUNGA já recomendou a Administração Municipal do Lobito a criar uma comissão de trabalho que envolva de forma directa os representantes dos moradores e a própria associação OMUNGA de maneiras a que se encontre a melhor solução, sem no entanto ter recebido qualquer resposta. Neste local vivem cerca de 300 famílias.

Deslocaram-se ainda ao ex. Centro 16 de Junho (B.º da Lixeira) onde se localizam mais de 200 jovens assentados num projecto da Administração Municipal do Lobito (AML). Estes jovens foram desalojados da zona baixa da cidade (zona Comercial) onde viviam na então designada “POUSADA DA CRIANÇA” (projecto da AML para crianças e jovens em situação de rua). Na altura do assentamento, a AML prometeu a disponibilização de terrenos e de material para a autoconstrução num período de 6 meses. Passado mais de ano e meio, os jovens continuam a viver em tendas. Por outro lado, de acordo ao Exmo. Sr. Governador Provincial de Benguela, o governo não vai cumprir com a promessa, ficando de fora a garantia de casas para aqueles jovens e suas famílias.

Os subscritores da iniciativa da DECLARAÇÃO DE BENGUELA, deixaram mensagens de solidariedade e comprometeram-se em desenvolver todos os esforços para apoiar aquelas comunidades no resgate do seu Direito a uma Habitação Adequada.

José A. M. Patrocínio
Coordenador Geral

INFORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO HUMANO: Efeitos e Consequências da Informação no Desenvolvimento


A globalização e o mundo da informação, para o fortalecimento de
qualquer regime submisso ao povo deve pautar
pelo desenvolvimento e crescimento humanos.
Até que ponto o desenvolvimento endurece ou cataliza a essência do ser humano
com o direito à informação condigna e de qualidade?
Nesta vertente, como pode um regime manipular as informações e como isto afecta,
prejudicando tecidos humanos no nosso país?

QUINTAS DE DEBATE pretende juntar diferentes visões sobre temas da actualidade como política, economia e sociedade. Acompanhe:

No dia 27 de Agosto a partir das 15 horas, no SOLAR DOS LEÕES-BENGUELA, será realizado mais um Quintas de Debate, com o tema: INFORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO HUMANO: Efeitos e consequências da informação no desenvolvimento
Será Prelector: JOSÉ GAMA (CLUB-K)

João Malavindele Manuel
Coordenador do CID

O OMUNGA agradece a todos os prelectores por se disponibilizarem de forma voluntária a darem as suas contribuições, como ao Pambazuka, Club K e Nova Águia, pela abertura no acompanhamento e divulgação dos debates.
Conta com o apoio da Christian Aid e PAANE
Poderão ainda acompanhar os debates, acedendo aos textos, comentando, questionando, sugerindo ou criticando através do
http://quintasdedebate.blogspot.com ou ainda www.club-k-angola.com e www.pambazuka.org. Para mais contactos podem aceder ao terminal telefónico +00 244 272221535, ao móvel +00 244 917212135 e aos email quintas.de.debate@gmail.com, omunga.coordenador@gmail.com.



20 Agosto 2009, Benguela
LUISETE MACEDO ARAÚJO (Candidata independente à presidência da República)

Caros presentes, dignos benguelenses, estimado auditório.
Cordiais saudações!

Apraz-me dizer que me sinto reconhecida por (a OMUNGA) me ter convidado a participar desta augusta Assembleia em Benguela, para falar aos angolanos e para todo o mundo sedento de ver uma Angola realmente renascida e os angolanos no pleno gozo de tudo quanto Deus lhes deu nesta terra, que infelizmente, cada dia que passa parece escapar das mãos dos angolanos; cada dia que passa os angolanos vão se sentindo estrangeiros nela. Porém, bem-haja Omwnga. É nestes momentos críticos que se avalia a importância destas tribunas, que como disse, servem não só para reflectirmos em conjunto, mas acima de tudo para levarmos daqui fórmulas derivadas de um consenso abrangente e que nos possibilitem com segurança ultrapassar estes e outros obstáculos que se nos impõem.

O tema que nos reúne aqui é o mais candente, “as demolições e suas consequências” que ocorrem um pouco por todo o país, com maior incidência em Luanda. Se não estivéssemos atentos, quase nada teríamos a dizer sobre o assunto, pois ninguém é estranho a tudo o que os nossos olhos estão a ver e os nossos ouvidos a escutar. Mas, estas demolições finalmente não surgem ao acaso, são fruto de um longo programa que jaz dentro de um projecto que nos foi ocultado todo este tempo. Até estrangeiros lúcidos não escondem em denunciar este triste episódio como verdadeira “neocolonização interna”, quer dizer: opressão e exploração de angolanos para angolanos.

Fomos todos enganados com promessas idílicas que no fundo não correspondem nem na sua forma, nem no seu conteúdo aos ideais pelos quais os angolanos votaram em júri e consciência. Não nos esqueçamos nunca que, já os resultados do pleito eleitoral foram como que um golpe severo e quiçá irreparável aos desígnios de todos nós. Em face disso, os factos do presente não escondem a nossa decepção, tão pouco a frustração que mora em todos os angolanos, até mesmo na consciência de muitos nacionalistas que habitam as muralhas do partido que coordena todo este insidioso e ignóbil plano.

Mas, como disse: “Demolições”, é apenas a ponta do Iceberg, é somente uma introdução de um vasto plano que desemboca na discriminação e injustiça social do resto dos 80% de desprovidos e vilipendiados que faz Angola. Os governantes actuais uns mais do que outros, todos inspirados pela ambição desmedida, embrenharam-se numa senda que culmina na lógica segundo a qual, depois da guerra, é tempo de aproveitar roubar, acaparar-se o máximo do património do Estado, ocupar todos os lugares e instituições estratégicas da Função Pública para não só garantir o poder político e económico, como assegurar o reino para o futuro. Nesta corrida desenfreada que temos vindo a apreciar de forma assustadora, eles defendem que uma vez passada esta onda dramática, o povo vai resfriar os ânimos, vai se conformar, cedo vai esquecer e amanhã a justiça que é ou será dominada por magistrados provavelmente comprometidos, nada poderá contra a ilegalidade dos atropelos e as imposturas que se vão cometendo. Este plano que muitos consideram macabro é geralmente gizado por gente estrangeira que indicia a sua implementação prática às nomenclaturas politica e militar dos nacionais, cujos dividendos ou benefícios, maior parte recai sempre para esses estrangeiros que insinuam este sórdido plano. É o que podemos ver hoje em Angola. Está-se, não a demolir, sim a destruir casas (pois, mesmo no tempo colonial, quando se faziam demolições, antes instalava-se os assolados em habitações muito mais condignas). Hoje e a semelhança de outras pessoas, prefiro chamar a isso também destruições e não demolições, porque as pessoas que perdem suas habitações ou terrenos, não são compensadas, são literalmente violentadas e cruelmente atiradas para as ruas e lixeiras, entregues, aí sim, à verdadeira promiscuidade.

Nós queremos cooperação, precisamos de ajuda, mas pedimos que a Comunidade Internacional nas suas relações com o governo angolano observe e respeite os nossos valores morais e humanos, para não ser conivente dos males que se pratica contra o povo.

Contudo, gostaria de alertar que não deveríamos estar distraídos. Há outros factores políticos mais determinantes que salvaguardam os célebres ditados lembrados pelo falecido Agostinho Neto: “O mais importante é resolver os problemas do povo” e “Contra a exploração e injustiça social, opomos resistência total”, que durante décadas constituíram os motores de sensibilização e mobilização dos oprimidos na revolução da aliança camponesa/operária, contra o opressor. É verdade que temos de continuar a dar lugar a vigilância popular generalizada. Mas, vigilância não se reduz apenas na denúncia dos factos que são protagonizados, é essencialmente destapar e antecipar planos que enunciam acontecimentos futuros de maior dimensão e muito mais demolidores.

Por conseguinte, se é urgente por todos os meios pôr-se cobro a este processo desumano das demolições, não deixa de ser quão imperioso velar-se por outros aspectos fundamentais que determinam a existência dos angolanos como cidadãos de direitos na terra que constitui legado de seus antepassados. Cito apenas dois elementos fulcrais que, se não forem devidamente acautelados, o futuro dos angolanos será seguramente a imagem deste presente, pior do que no tempo colonial. Portanto, trata-se da Revisão da Constituição e da Lei ou Diploma que regula a Privatização dos sectores e serviços do Estado. Este último assunto tem passado muito por despercebido entre os angolanos até daqueles a quem se convenciona chamar de intelectuais ou elites políticas que por regra deveriam ser os mais atentos ou avisados. É aqui onde tudo começa e acaba. É na interpretação destes dois ditames fundamentais onde se vai ou não legalizar a exploração e opressão democráticas, onde se vai institucionalizar a divisão subtil da sociedade entre os muito ricos e os muito pobres; onde numa só palavra, se vai perpetuar a luta entre a miséria e a pobreza, proporcionais àquilo que de forma pérfida, tanto dentro, como no estrangeiro, gostamos de apregoar: “Desenvolvimento económico-social”, fazendo crer que o desenvolvimento humano se circunscreve apenas na construção daquilo que é suposto substituir os ditos casebres. A maneira como está sendo conduzida esta política de privatização dos bens do Estado, é também o prenúncio desta deriva do governo que temos vindo a acompanhar lamentavelmente nos últimos tempos.

Um programa sério e responsável obedeceria a critérios urbanísticos faseados e ordenados da seguinte forma: 1° - Construir habitações suficientes, não de forma atabalhoada e improvisada como se verifica; em seguida instalar aqueles que não têm mesmo nada e os que habitam as zonas de risco eminente; depois os que estão pessimamente alojados; em seguida os que vivem em grandes efectivos debaixo de um único tecto, e assim sucessivamente, para evitarmos este estádio calamitoso de coisas. Não quero com isso dizer que o país estaria privado de uma reconstrução arquitectural moderna ou que a renovação das cidades e centros urbanos ficariam dependentes da solução desses problemas. Quero sim dizer que podia-se muito bem implementar os programas em paralelo, sem contudo incorrermos ao risco do governo ser acusado como estando a cometer crimes, como acontece agora em que não se respeitam as mulheres grávidas, os recém nascidos, as crianças e velhos, numa palavra, o ser humano. Destruir casas daqueles que estão minimamente alojados, quando milhares são aqueles que vivem amontoados ou nas ruas, é no mínimo muito suspeito.

Todos nós somos apologistas do progresso e do ordenamento territorial, mas não há desculpas para isso e é preciso ser duro, para partilhar e pactuar com este plano do governo. De resto, ficou no ar e até aqui não foram respondidas as questões: Quem é que vai ocupar estes locais onde os populares estão a ser compulsivamente expulsos? Porque razões foram passados os títulos de propriedade e as licenças de ocupação ou construção que agora são simplesmente ignorados, cujos outorgantes se tornaram fantasmas?

Para não divagarmos muito e não sairmos do tema que nos traz, recordo que a problemática das demolições, começa desde logo de uma falsa interpretação do Direito das Terras, constante da Constituição, que dita: “ As Terras pertencem ao Estado”. Logo depois, todos nós nos colocamos a questão: “Finalmente quem é este Estado e que lugar ocupa o Angolano neste Estado?” É na confusão propositadamente criada em volta destes dois imperativos patriótico ou constitucionais que o governo advoga toda legalidade que o permite cometer estas atrocidades.

Durante a campanha para as legislativas, em momento algum falou-se aos angolanos da urgência da revisão constitucional que, recorde-se, a que está em vigor, não impede nem inviabiliza de forma alguma o cumprimento normal do ciclo eleitoral. Ora, sendo um sujeito extremamente capital, não obstante a fraude, os angolanos uma vez devidamente advertidos, perceberiam perfeitamente que uma revisão da constituição deveria se fazer inspirada pelo equilíbrio de representatividade parlamentar e não com maioria esmagadora. Nestes moldes que se pretende dar a impressão do equilíbrio consensual e a matriz pluralista pelo facto de supostamente, estar-se a escuta e a recepção do contributo da Assembleia Constituinte e da Sociedade Civil, não deixa de ser um mero exercício de diversão que só serve para caucionar a imposição de princípios e valores aos quais os angolanos inadvertidamente vão ter que se vergar ante as leis que no final serão forçosamente legais, mas que favorecerão apenas algumas pessoas, penalizando a grande maioria.

Naquilo que deu para perceber, os partidos políticos, não fizeram suas campanhas com este propósito, logo os angolanos não estiveram de atalaia. Após a batalha das legislativas, os partidos políticos, incluindo o partido vencedor, estavam preparados para logo depois elegerem um presidente legítimo e legal para Angola. Estas manobras de Revisão da Constituição; eleição do Presidente da República pelo Parlamento ou do linkage que se faz agora entre a revisão da Constituição e a realização das eleições presidenciais, é tudo porque se temia desde então as reacções que adviriam da maioria das populações motivadas pelas demolições que finalmente estavam secretamente planeadas.

O governo age sem parcimónias porque alimenta a lenda daquilo que muita gente diz: “O povo tem memória curta. Amanhã este mesmo povo será o primeiro a votar a favor do governo que hoje o maltrata”. Mas, estou convicta que o angolano também está a evoluir em consciência o que me permite dizer que já não vai aceitar num porvir a imposição daquilo que não o interessar. O povo está maduro; mesmo o camponês da aldeia mais recôndita, hoje sabe o que quer, amanhã muito mais e já não votará apenas por emoção. Contudo, cabe a cada angolano consciente, relembrar no futuro os factos deste presente dito de paz civil e tranquilidade social.

A sociedade civil, as associações e outros agentes sociais, culturais ou religiosos interventivos, é certo nunca baixaram os braços, mas poderão pecar ou ver seus esforços tão cedo caírem por terra, se as acções de contestação não se fizerem acompanhar em simultâneo da pedagogia permanente sobre os valores de cidadania onde cada cidadão angolano vai conhecer que afinal o Estado e o Governo têm muito mais obrigações para com ele do que vice-versa. Cada angolano terá de saber o que é que ele independentemente tem direito como angolano, para que não seja outros tantos os primeiros a alertá-lo das injustiças que ele sofre, mas sim, a sua própria consciência impulsioná-lo para dizer “Não” ao castigo que lhe é impingido. O que acontece agora e não deixa de ser preocupante, é que muitos são os angolanos que sofrem piores privacidades e imundas perversidades, mas acomodam-se no “Não faz mal”, facto que levou em muitas ocasiões líderes políticos se interrogarem se vale mesmo a pena sacrificar-se por este povo.

Quero dizer que vale sempre a pena. Como se tem dito: “Uma pessoa avisada, vale por duas”. Ou por outra, como sabemos, até uma pessoa instruída precisa de estar informada e actualizada para se certificar de que o que realiza está correcto e dentro das normas.

O problema maior, é que o povo pensa que, o que o governo deve fazer por ele, desta feita o governo do MPLA, é um favor e não uma obrigação. O povo não sabe que desde o Presidente da República passando pelos agentes que servem o Governo estão nas instituições ao serviço do povo, que o dinheiro que usam como salários ou noutros gastos, é dinheiro do povo e não do MPLA. O povo ignora tudo isso, ignora que a casa que lhe é dada, é um direito. Daí o apelo que faço: é preciso incentivar muito mais as campanhas de sensibilização a todos os cidadãos por formas a conhecerem os direitos cívicos que o tornam muito mais cidadão, livre e autónomo. O que a Rádio Ecclesia no seu programa dos sábados de manhã sobre cidadania tem feito, é de elogiar, aquilo parece simples, mas é enorme, ou por exemplo as terças feiras ao cair da tarde na Rádio Despertar quando se fala sobre o papel, a importância e os direitos ou deveres da família no programa Educação Familiar, estes e outros programas análogos que certamente se desenvolvem nas rádios provinciais, ou implementados por associações civis, deveriam ser mais alargados e merecer patrocínio do governo. É a isto que devíamos considerar investimento útil, do Estado para todos os cidadãos. Pois, o cidadão angolano está muito carente de instrução cidadã para ele próprio poder se defender, igualmente das leis injustas. Se os 60 ou 70% dos angolanos não instruídos tivessem noção dos direitos que lhes cabem e dos deveres e obrigações do Estado para com os cidadãos, não seria necessário esforço titânico para organizar uma manifestação pacífica na reivindicação do que por direito é negado ao povo.

Por exemplo, temos escutado por vezes, as pessoas indagarem-se porquê que os povos que sofrem estas demolições ou outras injustiças, não respondem como deviam aos apelos dos responsáveis da Omwnga, o senhor José Patrocínio ou do SOS Habitat em Luanda, o senhor Luís Araújo que muito se têm batido pela reposição da justiça e em defesa das populações? - Não tem outra resposta: é mais pela ignorância dos populares sobre os preceitos básicos de cidadania que acabo de citar.

Estamos de parabéns, os Estados Unidos pela senhora Hillary Clinton, acabam de deixar um fundo para o combate ao SIDA. Obrigada, mas estaríamos muito mais felizes se houvesse o mesmo empenho também por parte do nosso governo no combate a miséria; no combate ao saneamento básico, causa primeiro do paludismo muito mais mortífero; na solução da falta gritante de água potável, responsável pela cólera e causadora de muitas mortes; na superação da falta de energia eléctrica que nenhuma justificação é aceitável; no combate à delinquência que provoca o terror e instaura a dúvida no seio das pessoas mais atentas. Portanto, temos problemas elementares que uma vez resolvidos evitaria as milhares de mortes precoces que se registam todos os santos dias no nosso país. O governo tem muitas coisas primárias com que se ocupar e não demolir casas dos pobres para no lugar construir palácios ou vivendas luxuosas que servem de terceira estância para algumas pessoas afortunadas.

Logo, antes de esvaziar o que trouxe sobre as razões e os efeitos das demolições, gostaria falar também de um outro sujeito que se interliga ou que pode mesmo arbitrar o conflito entre o governo e o povo. Faço referência aos valores democráticos. É preciso não só defender, mas acima de tudo iluminar a todo o custo estes valores, sem os quais a governação se torna amorfa.

Falar de Democracia é falar do respeito, é um exercício que, contrariamente ao que muitos pensam, não se aprende unicamente nas universidades ou nas lides politicas. A cultura democrática, começa no mesmo momento que começamos a engatinhar, desde os primeiros passos. Democracia é a regra básica de convivência harmoniosa entre vários seres. Aquilo que hoje politicamente chamamos democracia, não é outra coisa senão as boas maneiras de convivialidade.

Quando somos crianças, em casa, na escola ou na igreja, aprendemos desde logo o “bom dia papá”, “boa noite mamã”, “muito obrigada mano”, “dê-me licença, por favor”. Quem assim cresceu, não tem dificuldades de adoptar a Democracia. Infelizmente, grande parte dos nossos compatriotas, concidadãos que hoje enche as ruas, nasceu nesse tempo em que os valores morais ficaram sacrificados, submissos aos deveres revolucionários e aos caprichos políticos, cujos objectivos eram o de transformar o homem num simples instrumento de luta e a família numa organização abstracta.

Sem dúvida, a perda destes valores morais, influenciou negativamente para a falta de educação que verificamos existir um pouco por todo o lado.

O respeito ao próximo, o amor ao próximo, a solidariedade e a compaixão são os pilares de sustentação de qualquer sociedade, é o que se deve aprender desde as casas dos nossos pais por mais pobres que sejam. Se cultivássemos estas premissas, cada um de nós quando fosse lançado para uma operação como das demolições, deveria primeiro fazer um apelo a sua própria consciência e interpelar quem o estivesse a ordenar. Como em Angola a pseudo Democracia não conseguiu ainda substituir o respeito, não se tornou cultura como imperativo de sociedade, claro que as dificuldades na aplicação das leis ou das directivas que são baixadas, vão criar assim atropelos.

Também se o popular soubesse que a Democracia permite que as pessoas em cargos de poder possam ser substituídas sempre que não estejam a exercer as suas funções com competência, profissionalismo e dedicação, teriam uma melhor noção da importância das eleições e do seu voto. É preciso lembrar permanentemente às pessoas que a Democracia permite também, que todos aqueles que tenham formação adequada possam concorrer em posição de igualdade de circunstancias para funções que, sem a Democracia estariam reservadas só àqueles que estão junto dos donos do poder ou que forçosamente pertençam ao MPLA.

Quando apelamos a necessidade de multiplicar as campanhas de sensibilização ao mesmo tempo que se luta contra as injustiças, é para que todo o cidadão desde pequeno saiba que a Democracia tem um valor inestimável porque permite a igualdade de todos nós, instruídos ou iletrados, pobres ou ricos na escolha de quem nos deve representar num determinado cargo, desde o de Presidente da República. A Democracia permite que se faça essa escolha livremente e sem medo de quem quer que seja.

Eis o porquê que nisso tudo é urgente passar-se a mensagem para todos terem a noção exacta da importância extrema da alternância do poder. Todo o cidadão na idade de votar e não só, deve saber que a grande vantagem da alternância do poder no quadro da Democracia é a de, o cidadão poder ele também exonerar aquele dirigente que para ele trabalhou mal e experimentar outras propostas que outros dirigentes trazem para a solução dos problemas que o impedem de ser livre e feliz.

Quando a grande maioria tiver esta noção, os dirigentes por mais valentes que sejam, terão também eles medo de partir para demolir sem justa razão às casas dos pacatos cidadãos. Pois saberão que não só deixarão os cargos que ocupam, como poderão prestar contas com a justiça. Isso só não acontece agora porque quem manda em Angola é o MPLA. É preciso enviar constantemente a mensagem que Angola não se resume ao MPLA. A sociedade angolana sois todos vós, valorosos quadros, desprezados, cada um com suas aptidões que pode fazer tanto ou melhor para a felicidade dos angolanos.

Vêm aí as eleições presidenciais, mais uma oportunidade para o povo poder se livrar daqueles que o oprimem e que todas as vezes que estão nas vésperas das eleições aumentam o pacote de promessas que uma vez terminadas essas eleições, deitam todas as promessas para o lixo e continuam a cumprir com o programa que têm traçado a seu benefício. Para se acabar com todo este sofrimento que se repete sempre, e evitar-se arrependimentos desnecessários, devemos votar bem.

Para terminar e sem qualquer pretensão discriminatória, permitam-me que renda homenagem e todo o meu respeito a todas as mulheres, em particular as mães que sofrem todos os dias, que estão na zunga, que são corridas e chicoteadas pela polícia com os bebés às costas; mulheres que carregam consigo o pesado fardo de ser mãe e por vezes chefe de família, mas corajosamente continuam a distribuir Amor, a Fé em Deus e em Nosso senhor Jesus Cristo.

Estou convosco nesta manifestação de repúdio as injustiças e demolições.

Deus Abençoe Angola



Na presença de mais de 100 participantes, a 20 de Agosto de 2009, no Solar dos Leões (Benguela), foi subscrita a Declaração de Benguela (em relação às demolições e desalojamentos forçados), uma iniciativa de 23 personalidades que animaram todas as edições do QUINTAS DE DEBATE (Novembro de 2008 a Agosto de 2009).
Antes da leitura da referida Declaração, a Sra. Luizete Araújo (prelectora do dia) falou sobre "As Demolições e Suas Consequências".
Declaração de Benguela

Nós, membros da sociedade civil angolana aqui presentes, em seu nome e em nome dos representantes de organizações e indivíduos que assinaram este texto, declaramos estar extremamente preocupados pela recrudescência de desalojamentos forçados já implementados ou anunciados, que constituem uma violação dos direitos dos cidadãos a uma vida digna. Neste contexto, assumimos uma posição clara em favor do respeito pela lei e pelos direitos fundamentais dos cidadãos, razão pela qual nos declaramos especialmente contra as condições em que os desalojamentos estão a ser perpetrados, porque as instituições do estado são os principais responsáveis pela garantia de direitos numa base universal e, no caso, devem fazê-lo através de uma política habitacional participativa, abrangente e pró-pobres, ou seja, adequada à realidade da grande maioria das famílias vivendo neste país.

De acordo com a Observação Geral N.º 7 do Comité da ONU sobre os Direitos Económicos, Sociais e Culturais, entende-se “desalojamentos forçados” como sendo “o facto de fazer sair pessoas, famílias e/ou comunidades das suas casas e/ou das terras que ocupam, de forma permanente ou provisória, sem oferecer-lhes meios apropriados de protecção legal ou de outra índole nem permitir-lhes o acesso a eles”. Ainda de acordo com o mesmo documento, o referido Comité chegou à conclusão que “os desalojamentos forçados são prima facie incompatíveis com os requisitos do Pacto [Internacional dos Direitos Económicos, Sociais e Culturais]”.

Entre 2001 e 2007, organizações locais e internacionais documentaram o desalojamento forçado de mais de 30 000 pessoas. Uma parte delas viu as suas casas serem demolidas sem serem avisadas, menos ainda consultadas, sem protecção legal nem habitação alternativa adequada. Muitos desalojamentos foram executados por agentes da polícia, membros das forças armadas ou de empresas de segurança privada, com uso excessivo da força.

No mês passado, 3000 casas foram demolidas no Município do Kilamba Kiaxi em Luanda, o que significou o desalojamento de 3000 famílias, ou seja, pelo menos 15 000 pessoas. No Lobito, desde Fevereiro deste ano, 250 famílias vivendo na feira vêm sendo ameaçadas de desalojamento. Na previsão do CAN e de projectos turísticos entre Benguela e Lobito, as administrações locais anunciam futuros desalojamentos de bairros inteiros, comportando milhares de famílias. Elas não foram ainda avisadas e nenhuma actividade de consulta está prevista. Muitos outros casos ocorrem em várias províncias, não só nas cidades mas também no meio rural onde terras são confiscadas das comunidades locais, que sobrevivem da agricultura de subsistência.

Por causa das numerosas deslocações internas durante a guerra, de um sistema administrativo débil e da falta de uma política habitacional pró-pobres, entre outros factores, estima-se que em Luanda, por exemplo, 75% das famílias não têm títulos formais sobre as suas casas e terras. Várias vezes, como no caso de famílias da feira de Lobito, elas foram realojadas naquele local pela própria administração municipal, mas sem que nunca lhes tenha sido dado um título de propriedade, deixando-as vulneráveis a novos desalojamentos, cada vez que a administração precisar do terreno por outros fins.

As razões oficialmente dadas pelo Governo, central ou local, para esses desalojamentos, vão da reconstrução do país à requalificação das áreas, à expropriação por “utilidade pública”, à preparação do CAN, ou ainda a investimentos públicos ou privados. Mesmo que algumas destas razões possam considerar-se justificadas e legítimas, existem normas internacionais, reconhecidas pelo sistema jurídico angolano, que regulam a forma de desalojar. De qualquer modo, não é aceitável que este tipo de medidas seja sistemático e julgado normal pelo Governo, porquanto deve-se recorrer a elas apenas em última instância, e só depois de terem sido organizadas, entre outras condições, alternativas adequadas.

Estamos ainda mais preocupados porque outros factores nos fazem pensar que esta onda de desalojamentos forçados pode aumentar e violar os direitos de muitas outras famílias, se não forem adoptados, processos adequados. Trata-se do novo Código Mineiro que, se for aprovado como está a ser apresentado agora, colocará todas as áreas contendo recursos minerais, inclusive os destinados à construção civil, como zonas restritas de onde as populações locais terão de ser desalojadas. Trata-se também da implementação da Lei de Terras, no sentido do pouco que está a ser feito para que as comunidades rurais e as famílias nas cidades registem sistematicamente os seus terrenos, afim de ter maior segurança jurídica no futuro.

Trata-se finalmente dos futuros grandes investimentos no país, seja para a produção de biocombustíveis em Malanje, alumínio em Benguela, prata no Kwanza-Norte, cobre no Uíge ou urânio no Sul do país. Estes investimentos são necessários e podem criar empregos e crescimento, mas se o Estado angolano não proteger as famílias que vivem nos locais visados, o número de desalojamentos e confiscos de terras, sem alternativas nem compensações, poderá crescer em proporções alarmantes nos próximos anos. E, mais uma vez, o crescimento económico não será acompanhado de desenvolvimento social.

É de lembrar que no seu Artigo 2º, a Lei Constitucional angolana vigente declara que “A República de Angola é um Estado democrático de direito que tem como fundamentos”, entre outros, “a dignidade da pessoa humana” e “o respeito e garantia dos direitos e liberdades fundamentais do homem”. O seu Artigo 20º afirma que “O Estado respeita e protege a pessoa e dignidade humanas”, e o 29º que “A família, núcleo fundamental da organização da sociedade, é objecto de protecção do Estado”.

Além disso, o Artigo 21º da mesma Lei reconhece que “As normas constitucionais e legais relativas aos direitos fundamentais devem ser interpretadas e integradas de harmonia com a Declaração Universal dos Direitos do Homem, da Carta Africana dos Direitos Humanos e dos Povos, e dos demais instrumentos internacionais de que Angola seja parte”. De facto, Angola ratificou a Carta Africana em 1990 e os Pactos Internacionais sobre os Direitos Civis e Políticos, e sobre os Direitos Económicos, Sociais e Culturais em 1992. Como Estado parte, Angola aceitou então as obrigações de respeitar, proteger e realizar os direitos humanos, inclusive o direito a uma habitação adequada.

Por último, gostaríamos de lembrar que aquando da revisão de Angola, em Novembro de 2008, pelo Comité dos Direitos Económicos, Sociais e Culturais, foi recomendado que Angola deve:
a) adoptar medidas firmes para conseguir que só se recorra a desalojamentos em última instância e leis e directivas que definam rigorosamente as circunstâncias e condições para levar a cabo um desalojamento em conformidade com a Observação Geral n.º 7 do Comité sobre o Direito a uma Habitação Adequada (art. 11.1) e os desalojamentos forçados (1997);
b) investigar todas as alegações do uso excessivo da força por parte dos agentes da polícia e de funcionários do Estado que participam nos desalojamentos forçados, e colocar os autores à disposição da justiça;
c) velar para que se ofereça a todas as vítimas dos desalojamentos forçados uma alternativa de Habitação Adequada ou indemnização, e para que as vítimas tenham acesso a recursos jurídicos eficazes;
d) garantir que todos os desalojamentos forçados que sejam levados a cabo no contexto do CAN, cumpram com os requisitos e as directrizes da Observação Geral N.º 7.

Neste contexto e tendo em mente preocupações para o presente e o futuro do nosso país:
1. Posicionamo-nos contra o recurso sistemático a desalojamentos forçados, demolição de casas e expropriação de terras;
2. Apelamos aos governos provinciais a criarem comissões, em cada município, com ampla participação da sociedade civil e representantes de cada bairro e comunidade, para discutir, com antecedência, sobre todos os planos de construção de casas, desalojamentos e realojamentos na área, e para facilitar a realização de consultas e negociações caso por caso;
3. Exigimos que os direitos à informação, à participação e a recursos jurídicos, todos reconhecidos pela Lei Constitucional angolana, sejam respeitados;
4. Pedimos que o direito a uma habitação adequada para todos, o que inclui os componentes de segurança jurídica da ocupação, habitabilidade, acesso a serviços públicos, acesso físico e financeiro, localização e adequação à cultura, seja integrado na nova Lei Constitucional do país;
5. Apelamos ao Governo a utilizar o direito à habitação como base da sua política, programas e orçamentos habitacionais, urbanísticos e de utilização do espaço, que devem ter sistematicamente uma componente pró-pobres, afim de começar a inverter o quadro das desigualdades sociais no nosso país;
6. Apelamos ainda ao Governo a respeitar o direito à habitação e todos os outros direitos humanos nos Decretos que promulga, assim como nos acordos bilaterais e multilaterais que assina com outros países;
7. Recomendamos que a Relatora Especial da ONU para a Habitação Adequada esteja oficialmente convidada pelo Governo de Angola, afim de poder entrar num diálogo construtivo com o mesmo, e apoiá-lo a cumprir com as suas obrigações de respeitar, proteger e realizar o direito à habitação.

Benguela, 20 de Agosto de 2009.



LOBITO, 17 de Agosto de 09



Representantes da sociedade civil angolana declaram estar extremamente preocupados pela recrudescência de desalojamentos forçados já implementados ou anunciados. Neste contexto, pretendemos tomar uma posição clara em favor das pessoas mais desfavorecidas neste processo, e especialmente contra as condições em que os desalojamentos estão a ser perpetrados, porque somos a favor de uma política habitacional participativa, abrangente e pró-pobres, ou seja, simplesmente adaptada à realidade da grande maioria das famílias vivendo neste país.

Como iniciativa do grupo de moderadores das edições anteriores do QUINTAS DE DEBATE, vai-se realizar no próximo dia 20 de Agosto a partir das 15 horas, no SOLAR DOS LEÕES - BENGUELA, uma:


Convidamos a que todas as pessoas (singulares e/ou colectivas) subscrevam esta Tomada de Posição.


Apoio: ADRA



REF.ª: OM/_____183_____/09
LOBITO, 13 de Agosto de 2009

É com enorme preocupação que a OMUNGA tem vindo a acompanhar a “declarada” privatização de espaços e património público.

Um destes exemplos é a declaração do MPLA como proprietário dos recintos da Feira do Lobito, da Feira de Benguela e do Parque de Campismo de Benguela. Pior ainda é a finalidade que se pretende dar a tais espaços, justificada pela sua requalificação, que apenas favorece os interesses privados.

Alguns exemplos na cidade do Lobito. O largo 1.º de Maio (B.º da Caponte) foi privatizado e hoje é onde se encontra o Supermercado SHOPRITE. No bairro da Bela Vista onde deveria ser construído o campo de futebol de salão é hoje o NOSSO SUPER. Os viveiros municipais do Lobito foram derrubados e hoje está em construção o Centro Social da SONAMET (B.º da Caponte).

A associação OMUNGA tomou também conhecimento de que a actual PEDIATRIA DO LOBITO será removida porque, segundo as fontes contactadas e que não quizeram gravar, “o dono está a reclamar pelo espaço.” De forma verdadeiramente arbitrária e desumana, todo o espaço que limita a pediatria está actualmente a ser utilizado para o armazenamento de contentores. Esta acção põe em causa a saúde das crianças ali internadas além do risco a todos os utentes devido ao permanente movimento de camiões e de contentores, barulho e poeira. Por outro lado, a própria casa mortuária daquele estabelecimento hospitalar já foi derrubada.

Lembramos ainda que a referida PEDRIATRIA foi alvo (há tempos) de programa de investimento público para a sua reabilitação. Por isso solicitamos esclarecimentos sobre tal facto.

Mais uma vez a associação OMUNGA aclama por medidas urgentes para se pôr cobro a esta desenfreada privatização do bem-comum e por outro lado recomenda a urgente aplicação da resolução da Assembleia Nacional que exige que todas as Administrações Municipais elaborem imediatamente (de forma participativa) os seus Planos Directórios.

José Patrocínio



Texto publicado no Semanário ANGOLENSE, na sua edição 328, ANO VII de 08 de Agosto de 2009
Gostaria de começar esta reflexão, sobre o que devemos entender por Desalojamentos Forçados. De acordo à Observação Geral N.º 7: Direito a uma Habitação Adequada, das Nações Unidas, entende-se por “desalojamentos forçados” como sendo “o facto de fazer sair pessoas, famílias e/ou comunidades das suas casas e/ou das terras que ocupam, de forma permanente ou provisional, sem oferecer-lhes meios apropriados de protecção legal ou de outra índole nem permitir-lhes o acesso a eles”.[1]

De qualquer das formas e ainda de acordo ao mesmo documento, o referido Comité chegou à conclusão que “os desalojamentos forçados são prima facie incompatíveis com os requisitos do Pacto” (Pacto Internacional dos Direitos Económicos, Sociais e Culturais).

O que se pretende com a presente reflexão é trazer a público as posições do sistema de direitos humanos das Nações Unidas sobre o assunto. Na realidade a questão de demolições e desalojamento forçado é grave e a comunidade internacional desde há algum tempo que tem vindo a abordar tal questão. É assim que em 1976, a Conferência das Nações Unidas sobre os Assentamentos Humanos, definiu que só se deveriam “iniciar operações importantes de evacuação quando as medidas de conservação e de reabilitação não são viáveis e se adoptem medidas de recolocação[2]

Ainda de acordo ao mesmo documento, em 1988, na Estratégia Mundial de Habitação até o Ano 2000, aprovada pela Assembleia Geral na sua resolução 43/181, reconheceu-se a “obrigação fundamental [dos governos] de proteger e melhorar as casas e os bairros em lugar de prejudicá-los ou destruí-los”. Pode-se ler ainda que, no Programa 21, declarava-se que “dever-se-ia proteger legalmente a população contra o desalojamento injusto das suas casas ou suas terras”. Mais adiante, tal documento relembra que no Programa do Habitat, os governos se comprometeram a "proteger a todas as pessoas contra os desalojamentos forçados que sejam contrários à lei, tomando em consideração os direitos humanos, e garantir protecção e reparação judicial nesses casos”. A própria Comissão de Direitos Humanos tinha assinalado que “a prática dos desalojamentos forçados constitui uma violação grave dos direitos humanos”.[3]

Atendendo à interrelação e interdependência que existe entre todos os direitos, os desalojamentos forçados violam frequentemente outros direitos humanos. Além de infringir claramente os direitos consagrados no Pacto Internacional dos Direitos Económicos, Sociais e Culturais, “a prática dos desalojamentos forçados também pode dar lugar a violações de direitos civis e políticos, tais como o direito à vida, o direito à segurança pessoal, o direito à não ingerência na vida privada, à família e o lar, e o direito de desfrutar em paz os bens próprios”.[4]

De acordo ainda à Observação Geral N.º 7, “o próprio Estado deve abster-se de levar a cabo desalojamentos forçados e garantir que se aplique a lei a seus agentes ou a terceiros que efectuem desalojamentos forçados”. De acordo ao Comité, este pressuposto vê-se reforçado também pelo disposto no parágrafo 1 do artigo 17 do Pacto Internacional dos Direitos Civis e Políticos, que complementa o direito a não ser desalojado forçadamente sem uma protecção adequada.

Antes de que se leve a cabo qualquer desalojamento forçado, em particular os que afectam a grandes grupos de pessoas, “os Estados Partes deveriam velar por que se estudem em consulta com os interessados todas as demais possibilidades que permitam evitar ou, pelo menos, minimizar a necessidade de recorrer à força”.[5]

Por último, gostaríamos de lembrar que aquando da revisão de Angola, em Novembro de 2008, pelo Comité dos Direitos Económicos, Sociais e Culturais, foi recomendado que Angola deve:

a) adoptar medidas firmes para conseguir que só se recorra a desalojamentos em última instância e adoptar leis e directivas que definam rigorosamente as circunstâncias e condições para levar a cabo um desalojamento em conformidade com a Observação Geral n.º 7 do Comité sobre o Direito a uma Habitação Adequada (art. 11.1) e os desalojamentos forçados (1997);
b) investigar todas as alegações do uso excessivo da força por parte dos funcionários da polícia e do Estado que participam nos desalojamentos forçados e pôr os autores à disposição da justiça;
c) velar para que se ofereça a todas as vítimas dos desalojamentos forçados uma alternativa de Habitação Adequada ou indemnização e para que as vítimas tenham acesso a recursos jurídicos eficazes;
d) garantir que todos os desalojamentos forçados que sejam levados a cabo no contexto da Copa Africana das Nações, um evento desportivo que se celebrará em 2010, cumpram com os requisitos e as directrizes da Observação Geral N.º 7

Apenas devemos perguntar. O Governo de Angola está a observar o seu compromisso perante os Pactos Internacionais de Direitos Humanos e as suas recomendações?

José Patrocínio
04 de Agosto de 2009

[1] Observación General N.º 7: El derecho a una vivienda adequada (párrafo 1 del articulo 1)
[2] Observación General N.º 7: El derecho a una vivienda adequada (párrafo 1 del articulo 1)
[3] Observación General N.º 7: El derecho a una vivienda adequada (párrafo 1 del articulo 1)
[4] Observación General N.º 7: El derecho a una vivienda adequada (párrafo 1 del articulo 1)
[5] Observación General N.º 7: El derecho a una vivienda adequada (párrafo 1 del articulo 1)
[6] Tradução não oficial do documento E/C.12/AGO/CO/3 de 1.º de Dezembro de 2008



REF.ª: OM/____180_____/09
LOBITO, 10 de Agosto de 2009



Mais um grupo de quinze crianças e jovens terminaram, no Lobito, a 07 de Agosto de 09 mais uma oficina de vídeo organizada pela OMUNGA.

A oficina teve a duração de 3 meses (Maio a Agosto) e permitiu aos participantes tomar contacto com as noções básicas de vídeo como também fazerem uma abordagem de contextos com enfoque em direitos humanos.

Como última actividade prática, os integrantes da oficina estiveram na feira do Lobito onde fizeram diversas entrevistas. O propósito de tal actividade foi proporcionar-lhes o contacto com aquela comunidade que actualmente vive a ameaça de desalojamento forçado. Poderam inteirar-se ainda das condições desumanas em que aqueles cidadãos vivem e desta forma estimular-se o espírito de solidariedade.

Fazem parte deste grupo, crianças e jovens de diferentes bairros do Lobito, assim como alunos da escola primária Mutu ya Kevela (B.º da Luz).

A oficina de vídeo, tal como a oficina de informática que a OMUNGA vem organizando, enquadram-se na sua intervenção estratégica de promoção da Paz, da Não-violência e de gestão de conflitos, com as crianças e jovens do município do Lobito. O projecto existe há vários anos, contou inicialmente com o apoio da Christian Aid e actualmente é financiado pelos Médicos do Mundo de França e da Comunidade Europeia

José A. M. Patrocínio
Coordenador Geral